03/01/2011

HISTORIA DA CHAPELARIA


Os Chapéus são usados desde o inicio da humanidade. É impossível afirmar quando é que foi usada pela primeira vez uma pele de animal sobre a cabeça como proteção contra os elementos da natureza. Apesar de este não ser um verdadeiro chapéu no atual sentido da palavra, o homem percebeu que cobrir a cabeça era uma vantagem. Um dos primeiros chapéus a ser descrito na história foi encontrado numa pintura num túmulo em Thebes (Egipto) e mostra um trabalhador hindu ou chinês com um chapéu de palha. Outras referências incluem o Pileus, precoce dos chapéus, que era uma simples tampa para a cabeça, o frígio tampa, que mais tarde se apelidou de "boné da liberdade' dado serem usados pelos escravos na Grécia e em Roma, quando estes se tornaram homens livres.O Pestasos que vem da antiga Grécia é o primeiro chapéu conhecido com aba. Apesar de historicamente ser esperado das mulheres que cobrissem as cabeças cobertas com véus, kerchiefs, capacetes, bonés e wimples, só no final do século XVI é que mulheres começaram a usar chapéus estruturados, baseados nos chapéus dos homens. No final do século XVII que a chapelaria feminina começou a emergir, deixando de ser influenciada pelos chapéus masculinos. A palavra "modista", é originária de um fabricante de chapéus de mulheres, e foi usada pela primeira vez em 1529. Em meados dos anos 1800's as palhas suíça e italiana, juntamente com imitações de palha feitas de papel, papelão, capim e crina estavam disponíveis para as mulheres, juntamente com a introdução de veludo e tule. Durante a primeira metade do século XIX os tocados dominaram a moda feminina, tornando-se muito grandes, com muitas fitas, flores, penas e gaze dando uma aparência de maior tamanho. Até ao final do século, apesar de os tocados continuarem a ser o tipo de chapéu mais usado, muitos outros estilos estavam a ser descobertos. Incluindo os chapéus de aba larga. No início de 1900 eram usados chapéus enormes e enfeitados com flores, penas, fitas e tule. Em meados dos anos 1920 deu-se o grande boom dos chapéus. O cabelo das mulheres tinha-se tornado muito mais curto, e as Cloches imperavam. Estas abraçavam a cabeça como um capacete com uma muito pequena aba. Depois da primeira grande guerra houve uma proliferação de estilos e materiais e muitas mulheres tiveram de recorrer ao aconselhamento dos chapeleiros. Nas décadas de 1930 a 1950 Nova York, com os seus muitos imigrantes europeus tinha-se tornado a líder mundial em chapelaria. As lojas da Fifth Avenue, de Henri Bendel e de Bergdorf Goodman, lideraram o caminho com o seu próprio trabalho chapelaria. Durante a década de 1930 e 40 a tendência foi para chapéus a terem mais copa e menos aba. Na década de 1960 as perucas e cabeleireiros que coloriam e penteavam as mulheres com penteados exóticos e esculturais. No entanto, na década de 1980 e 90, houve um ressurgimento do interesse das mulheres na chapelaria. Isto foi provocado, em grande medida, por figuras públicas, músicos e artistas. Muitos designers têm surgido com novos chapéus, o que levou a que os anos 90 fossem um período muito inovador para a indústria de chapéus. Desde a sua invenção, os chapéus foram entrando e saindo de moda assim como o estatuto associados a estes. Contudo, o uso de chapéus, como todos os acessórios de moda podem ser usados como símbolos, parte integrante do uniforme, “fashion statements”, demonstração de apoio a uma equipa ou proteção para a cabeça. Há ainda, e provavelmente sempre haverá, dois estilos básicos - aba e sem aba - e duas formas básicas - bonés e chapéus. Os chapeleiros usam estas duas formas e com a ajuda de muitos acabamentos e detalhes é possível criar uma interminável série de chapéus para homens e mulheres.
( pesquisa retirada da internet)

Um comentário:

  1. Cada vez mais apaixonada pela Chapelaria tradicional! um xero

    ResponderExcluir

Adoro Comentários!!!!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Costurar é uma Arte

Costurar é uma Arte